kaiunionbrasil.com / fanbase brasileira dedicada a kim jongin

No meio da grande rede de internet, ser caracterizado como guardião da livre expressão significa que sua liberdade pode ser posta em risco. Apesar do envolvimento de autoridades governamentais na tentativa de domar sua liberdade, a internet continua promovendo a conectividade entre as pessoas ao redor do globo a cada segundo e parece que somos capazes que encontrar incontáveis informações sobre tudo e qualquer coisa. Dentre eles estão pedaços fascinantes de conteúdo sobre a música pop coreana, kpop: uma cultura que está incrementando conscientemente o fascínio global contando com fãs obcecadas ou leais e vagarosamente indo de encontro ao mainstream da cultura pop americana. Ao nos aproximarmos do sexto ano de aniversário do hit virtal “Gangnam Style“, o kpop tem sido beneficiado por sua popularidade, mas mais do que nunca, Psy se beneficiou do tipo único de apresentação, já que o kpop por si só tem um estilo de apresentação musical diferenciado. Alguns podem não perceber, mas ao analisar grupos e suas vendas de discos, é possível notar o crescimento rápido do kpop internacionalmente e isso se baseia no que as pessoas falam sobre isso, na América e na internet. Entretanto, a música por si só pode não ser o elemento, nem tampouco o gênero. Excluindo o componente linguístico (coreano), das boybands aos grupos de rap, o kpop soa meticulosamente americano. O que mais além disso? A atenção da grande maioria para ênfase nos visuais, conceitos de clipes, senso de moda notável e coreografia inevitavelmente contribuíram para a caracterização do kpop.

 

Isso foi um gancho para um grupo de kpop que dominou a internet e fascinou mais de 100 milhões de pessoas no YouTube – um passo de dança se tornou um desafio interativo de pessoas fazendo uma certa coreografia e compartilhando seus vídeos em plataformas de redes sociais. Pessoas estavam fazendo parte do “Ko Ko Bop Challenge“, do EXO. Um dos maiores grupos masculinos de kpop da Coreia, EXO debutou em 2012, agora consiste em nove membros cativando os fãs na América do Norte. De shows esgotados no Tokyo Dome e Gocheok Sky Dome a terem seus rostos nos prédios da Times Square, em anúncios encomendados por seus próprios fãs e até mesmo conseguiram mais likes nas redes sociais do que Drake ou Justin Bieber, o grupo está respectivamente liderando o cenário do kpop.

 

Kai, nascido como Kim Jongin, o dançarino principal e inquestionavelmente o dançarino mais afiado, que está constantemente na frente – em primeiro plano nas performances do grupo -, fala comigo durante uma sessão editorial. Vestido com um casaco xadrez e jeans rasgado, ele entra no estúdio, correndo direto para o cachorro do escritório. “E aí?”, ele exclama animado, enquanto apertamos as mãos. A pessoa entusiasmada passa pela arara de roupas e expressa seu grande interesse em moda. “Mesmo que eu sempre use roupas parecidas, estou muito interessado nessas. Mas normalmente gosto de me vestir com coisas básicas e passar uma mensagem através disso.” ele admite. Enquanto se aprontava no set, ele escolheu peças nas quais ficasse confortável usando, o que me deu um senso de assertividade sobre como ele quer ser retratado em diferentes ocasiões. O homem sabe o que ele quer.

 

Com toda sua boa aparência arrasadora e modéstia que nos desarma, nós falamos sobre a relevância do kpop e seus empreendimentos pessoais fora do EXO. “Para ser honesto, eu sempre quis ser um artista. E desde o começo do meu debut como um artista, sempre tive um coração simples e genuíno em relação ao meu trabalho.”, palavras que claramente aceleraram o seu caminho até a fama que é apenas somados ao seu talento natural, ao invés de uma carreira vergonhosa. Kai pensa em um futuro brilhante para o kpop, o que ele também considera a base dessa entrevista. Enquanto dançava no set, Kai demonstrava um pouco de ballet – uma dança que ele originalmente aprendeu quando estava no terceiro ano da escola primária e sempre a incorpora nas suas performances solo. “Eu sempre amei dançar. Contudo, nem ao menos tento escolher um (cantar) sobre o outro (dançar). E agora também estou me aventurando em atuar. Acho que tudo isso é uma forma de expressar algo. E eu tento fazer tudo isso com paixão, diligência e devoção.”.

 

A atenção aos detalhes expressadas nas palavras de Kai brilha através de suas performances anteriores. Mas eu continuo acreditando fortemente que dança deve estar no topo de suas prioridades – é quase como uma tarefa não autônoma. “Dança não foi algo que eu escolhi. Naturalmente a dança estava lá, nas minhas primeiras memórias. Em vez de dizer que o movimento e a dança me deixam feliz, quero dizer que minhas primeiras memórias eram de dança.” – uma honesta confirmação. 

 

No caso em questão, o grande sucesso e reconhecimento global foram construídos pelo artista para si próprio e também com o EXO, onde demonstra uma apresentação diferente. Mas fora disso tudo, Kai retrata um encanto incomparável cuja genuinidade e simplicidade até trouxe o tema “sono”. “Às vezes viajo de férias, mas geralmente prefiro apenas descansar. Eu costumo encontrar amigos ou relaxar em casa. Ultimamente nem durmo muito. Até mesmo o tempo para dormir é muito precioso para ter que desperdiçar assim.” A natureza esperançosa de Kai apenas o traz para o próximo compromisso do dia.


Trad. PT-BR: Bekka @ Kai Union Brasil
Não retirar sem os créditos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *